cristãos,  Exército de Arakan,  gospel,  libertação,  Mianmar,  Missões / Ação Social

54 cristãos foram libertados após 6 meses de prisão, em Mianmar


54 cristãos foram libertados após 6 meses de prisão, em Mianmar

A organização cristã International Christian Concern (ICC) confirmou a libertação de aldeões em 1 de agosto, que foram mantidos por seis meses em um campo de fronteira, depois que soldados os levaram de sua comunidade após uma batalha com as forças do governo.

O Exército de Arakan (AA), um grupo insurgente que luta por maior autonomia para o Estado, sequestrou os aldeões de Khumi em 2 de fevereiro. As 54 pessoas foram levadas para a base do AA na fronteira entre Mianmar e Bangladesh.

Enquanto o AA alegou que havia “resgatado” esses moradores, ajudando-os a fugir para a segurança, onde o exército birmanês (Tatmadaw) vem realizando uma ofensiva contra o AA, os aldeões que escaparam depois negaram isso.

Os aldeões disseram que foram levados contra sua vontade, e foram usados ​​como escudos humanos em um ponto quando o Tatmadaw atacou com helicópteros de combate.

Quatorze dos aldeões conseguiram escapar do campo nos últimos meses e um morreu enquanto estava sob custódia do AA.

Após a sua libertação, os aldeões foram enviados a líderes comunitários na aldeia de Ohnthee Wa para que pudessem ser levados para um campo de deslocados internos em Meezar.

Confirmações

Em entrevista à Radio Free Asia, o Pastor Moses disse que foi informado sobre a chegada dos aldeões em Ohnthee Wa, mas que ele ainda não os havia conhecido.

“Eles disseram que voltaram, mas ainda estão na vila de Ohnthee Wa”, disse ele. “Eles disseram que todos foram libertados e ficarão em Meezar, onde fica o campo de deslocados”, declarou.

A Organização dos Direitos Humanos Chin (CHRO), que pediu repetidamente a libertação dos aldeões, disse que saudou a notícia.

“Congratulamo-nos com a libertação dos aldeões do rei Talin. Somos gratos por isso. Esperamos que esse tipo de problema não ocorra novamente ”, disse o diretor de campo da CHRO, Salai Terah, ao Khonumthung News.

Gina Goh, gerente regional do ICC para o sudeste Asiático, disse: “Para os prisioneiros jin que foram mantidos contra sua vontade por meses, esta é definitivamente uma notícia encorajadora de que eles finalmente poderiam voltar para casa”.

A gerente da organização cristã afirmou que “nós nos alegramos com eles e seus entes queridos. AA não deveria tê-los tomado em primeiro lugar. Os civis têm o direito de viver sem medo apesar dos conflitos armados em andamento entre o AA e o Tatmadaw.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.