Batistas do Sul,  Bíblia,  casamento gay,  Estados Unidos,  gospel,  igreja,  Joe Biden,  Lei de Respeito ao Casamento,  Notícias,  progressismo

Biden aprova lei que protege o casamento gay e preocupa sobre liberdade religiosa


Biden aprova lei que protege o casamento gay e preocupa sobre liberdade religiosa

A Lei de Respeito ao Casamento (RMA) foi assinada na terça-feira (13) pelo presidente Joe Biden, concluindo uma legislação que redefine o casamento nos EUA. A sanção presidencial aconteceu de forma rápida: cinco dias após o Congresso americano concluir a aprovação.

Com a promulgação do projeto de lei por Biden, o casamento entre pessoas do mesmo sexo passa a ser considerado legal na jurisdição em que ocorreu, com reconhecimento federal e estadual.

Embora a nova lei não exija que os estados legalizem o casamento gay, ela revoga a Lei de Defesa do Casamento (DOMA). Ao promulgar o DOMA em 1996, o governo federal definiu o casamento apenas entre um homem e uma mulher e protegeu o direito de um estado de não reconhecer o casamento entre pessoas do mesmo sexo que ocorrido em outra jurisdição, informa o Baptist Press.

As preocupações dos congressistas democratas de que a Suprema Corte dos EUA atual, mais conservadora, pudesse reverter a decisão de 2015 Obergefell v. Hodges que legalizou o casamento gay, alimentaram o esforço para promulgação do RMA.

Para não correr riscos, o Congresso deu a aprovação final ao projeto de lei três semanas antes de o controle da Câmara dos Representantes ser transferido para o Partido Republicano.

Resolução da Convenção Batista do Sul

A Southern Baptist Ethics & Religious Liberty Commission (ERLC) expressou desapontamento com a promulgação de uma medida que ela e outros oponentes dizem não apenas contradizer a visão bíblica do casamento apenas entre um homem e uma mulher, mas também representa uma ameaça à liberdade religiosa.

Em entrevista Baptist Press, o presidente da ERLC, Brent Leatherwood disse: “Desde que nosso trabalho de oposição a esse projeto de lei começou em julho, a ERLC permaneceu consistentemente clara: o casamento é uma instituição que não pode ser definida pelo governo. Deus o estabeleceu intencionalmente como uma união vitalícia e pactual entre um homem e uma mulher para o propósito do florescimento humano.”

“Infelizmente, agora que este ato se tornou lei, mais pessoas serão desviadas e enganadas pelas falsas promessas da revolução sexual”, disse ele em comentários por escrito.

“Estamos preparados para enfrentar esses desafios e continuar nossa defesa para garantir que as pessoas de fé sejam capazes de manter suas crenças mais fundamentais sobre casamento e sexualidade na praça pública”.

Os mensageiros das reuniões anuais da SBC afirmaram que o casamento é apenas a união de um homem e uma mulher em várias resoluções ao longo dos anos.

Progressismo domina a América

Antes de assinar o projeto de lei, Joe Biden fez um pronunciamento declarando que “a América dá um passo vital em direção à igualdade, à liberdade e à justiça não apenas para alguns, mas para todos”. Ele descreveu a promulgação da lei RMA como “uma vitória duramente disputada por gerações”.

O presidente também pediu a aprovação da Lei da Igualdade, um projeto de lei de direitos de gays e transgêneros que os críticos alertam que teria efeitos catastróficos sobre a liberdade religiosa, bem como proteções para mulheres, meninas e crianças ainda não nascidas.

A Lei de Respeito ao Casamento obteve a aprovação final da Câmara em uma votação de 258 a 169 em 8 de dezembro, com 39 republicanos se juntando a todos os democratas em apoio à proposta. Dez dias antes, o Senado aprovou a mesma legislação em uma votação nominal de 61-36 que viu 12 membros do Partido Republicano votando com os democratas para a proposta.

O Senado aprovou antes de sua votação final uma emenda substituta para uma versão aprovada pela Câmara em julho. A emenda do Senado incluiu linguagem tentando abordar questões de liberdade religiosa. A aprovação do projeto de lei alterado pelo Senado seguiu a derrota de três emendas oferecidas pelo Partido Republicano destinadas a fortalecer as proteções à liberdade religiosa.

Apesar da revisão, a ERLC e muitos outros defensores da visão bíblica do casamento entre um homem e uma mulher e da liberdade de consciência permaneceram contrários à legislação alterada aprovada por ambas as casas e assinada por Biden.

Segundo eles, as proteções à liberdade religiosa na nova lei são insuficientes, especialmente para objetores de consciência que prestam serviços fora do contexto do casamento.

Que o RMA não diz nada no projeto de lei “deve ser interpretado como diminuindo ou revogando a liberdade religiosa ou proteção da consciência” disponível para uma pessoa ou organização sob a Constituição dos EUA ou lei federal. Também diz que organizações sem fins lucrativos, incluindo igrejas, não serão obrigadas a prestar serviços “para solenidade ou celebração de casamento”.

Além disso, a legislação alterada esclarece que a RMA não “exige ou autoriza” o reconhecimento federal de casamentos polígamos.

‘Todos devem obedecer’

Em uma seção contestada por muitos defensores da liberdade religiosa, o projeto de lei autoriza um particular, bem como o procurador-geral dos EUA, a “ajuizar uma ação civil” em um tribunal federal contra uma pessoa que violar a medida, obrigando assim todos a obedecerem a regulamentos mesmo que atentem contra a fé individual.

Prestadores de serviços para casamentos – incluindo confeiteiros, floristas, fotógrafos e designers de sites – têm sido particularmente vulneráveis ​​aos esforços do governo para exigir que forneçam seus serviços para cerimônias entre pessoas do mesmo sexo.

A Suprema Corte ouviu argumentos orais em 5 de dezembro no desafio de Lorie Smith a um mandato do Colorado para que ela projetasse sites para casamentos gays, apesar de suas objeções como cristã.

Em cartas em julho e dezembro, Leatherwood pediu aos senadores e líderes da Câmara, respectivamente, que se opusessem ao projeto.

‘Hipocrisia’

Embora o casamento entre pessoas do mesmo sexo seja o foco de consideração em relação ao RMA, a linguagem do projeto de lei proíbe a negação do reconhecimento do casamento entre duas pessoas com base em seu “sexo, raça, etnia ou origem nacional”. A Suprema Corte dos Estados Unidos invalidou as proibições estaduais ao casamento interracial em sua decisão de 1967, Loving v. Virginia.

Ao expressar sua oposição, o Instituto de Liberdade Religiosa (RFI) disse que a premissa do projeto de lei “que a oposição ao ‘casamento’ entre pessoas do mesmo sexo é semelhante ao racismo” é falsa e “profundamente hipócrita. Não há ameaça real ou percebida ao casamento com base na raça em qualquer estado da América”.

Além da ERLC e do RFI, outras organizações que se opuseram ao projeto de lei após sua emenda incluíram a Conferência dos Bispos Católicos dos Estados Unidos, a Alliance Defending Freedom, o Ethics & Public Policy Center e o Family Research Council.

Grupos que defendem o casamento tradicional e a liberdade de consciência expressaram apoio às mudanças no projeto de lei sobre a liberdade religiosa. Entre eles a Associação Nacional de Evangélicos, Campanha AND, A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, Conselho para Faculdades e Universidades Cristãs, Aliança Institucional de Liberdade Religiosa, Igreja Adventista do Sétimo Dia e União das Congregações Judaicas Ortodoxas da América.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.