cristãos

Cristãos são obrigados a fugir de suas casas por se recusarem a se curvar diante de ídolos

Cristãos que adoravam privadamente em suas casas em uma vila no leste da Índia foram arrastados para líderes locais no mês passado e forçados a se curvar diante de um ídolo, a imagem de uma deusa, segundo fontes locais.

A ação da máfia em 14 de junho foi anunciada dois dias antes pelos chefes da aldeia de Mahuatoli, no distrito de Gumla, no estado de Jharkhand, afirmando que 12 famílias cristãs seriam banidas se não retornassem à religião tribal de Sarna.


Cristãos são obrigados a fugir de suas casas por se recusarem a se curvar diante de ídolos

Ameaçadas de morte, a maioria das famílias cristãs fugiu da aldeia.

“Ameaças sempre estiveram nessa área no distrito de Gumla, mas nunca chegou a ponto de os extremistas do Sarna prometerem levar vidas”, disse o pastor da região, Boyen Munda.

“Eles não estão em um estado de espírito correto agora. As forças extremistas hindus uniram-se a eles e os estão incitando contra os crentes”, relatou o pastor.

A multidão de 20 moradores invadiu a casa de Jogiya Munda, empurrando-o junto com sua mãe viúva para fora de sua casa, disse o pastor.

“O rapaz e sua mãe, que são cristãs há 17 anos, foram arrastadas até os líderes da aldeia e obrigados a se sentar e se curvar diante do ídolo da deusa”, relatou o pastor Munda.

“Eles despejaram baldes de água sobre eles [como um rito de purificação] e os fizeram fazer um ritual que se acredita ser um procedimento para renunciar a Cristo”, disse o pastor Munda.

“Eles fugiram para um lugar mais seguro muito longe. Os chefes da aldeia conspiraram para matar a mãe e o filho, se os encontrarem orando um dia depois do ‘ritual de reconversão’”, disse o pastor.

Cristãos são obrigados a fugir

O ritual de Sarna é semelhante a uma última chance para aqueles que partiram para retornar a sua antiga religião tribal, explicou.

“Duas famílias que também foram forçadas a se submeter ao ritual renunciaram ostensivamente a Cristo e permaneceram na aldeia”, ele disse.

 “Mas eles compartilharam conosco que não fizeram isso por vontade própria, mas por causa da pressão que passaram”, disse o pastor Munda.

Refugiados no próprio país

O pastor explicou que “faz um mês que os cristãos estão dispersos em aldeias vizinhas em busca de refúgio. É a estação das monções, então se eles não puderem voltar a cultivar suas terras, eles terão que passar fome por um ano.”

Os aldeões de Sarna se recusaram a fornecer água para os campos agrícolas das famílias cristãs, desligaram sua eletricidade e ameaçaram parar todos os benefícios do governo.

“Mas eles [10 famílias cristãs] enfrentaram as conspirações dos mais poderosos extremistas religiosos”, disse o pastor Munda ao Morning Star News.

Cristãos são obrigados a fugir

Ele disse que os cristãos nunca realizaram culto em grupo na aldeia de Mahuatoli, em vez disso viajaram para Dolaichi para uma adoração mais segura.

“Eles nunca tiveram um serviço aberto ou alto-falantes – sempre foi uma oração familiar privada na casa de cada pessoa”, contou. “Mesmo esses poucos minutos de oração privada estão sendo vistos como crime.”

Banidos

Na reunião de líderes de 12 de junho em Mahuatoli, as 12 famílias cristãs foram convocadas para o anúncio público de seu banimento da aldeia.

“Os líderes religiosos de Sarna e o conselho da aldeia estavam presentes”, disse Christian Gangadhar Munda à agência Morning Star News. “Na frente dos aldeões, eles nos declararam ‘poluídos’ e que a aldeia deveria ser limpa do cristianismo.”

“O líder leu ordens para os moradores se absterem de se misturar com os cristãos, excluí-los de reuniões familiares e sociais, e abster-se de falar com eles, comprar ou vender para eles, ou ter qualquer comunicação com eles”, disse Gangadhar Munda.

Afligidos pelas ordens, os cristãos Mangra Munda Júnior e Balveer Munda, junto com Gangadhar Munda, levantaram sua preocupação aos líderes tribais.

“Dissemos aos chefes das aldeias que não aprovamos a decisão deles, que é um direito fundamental e que somos livres para praticar o cristianismo”, disse Gangadhar Munda.

“Nós dissemos que pertencemos a esta vila tão legitimamente quanto outros aldeões de Sarna. Nós não cometemos nenhum crime para sermos humilhados e condenados publicamente como este. Como eles podem aprovar regras convenientes apenas para eles?”, questionou.

Ele disse que os líderes da aldeia os repreenderam por se oporem àquela decisão.

“Eles ficaram irritados porque nós levantamos nossa voz contra aquela decisão. Eles disseram: ‘Esses cristãos devem ser limpos no pandal [uma plataforma elevada para sentar ídolos]’”, contou Gangadhar.

“Mas alguns dos chefes da aldeia disseram que não deveríamos ser forçados, e que se algum cristão quiser retornar à fé de Sarna, eles devem vir para o pandal por conta própria. Ninguém entre as nossas 12 famílias aceitou esta oferta. Ficamos firmes na fé e decidimos que, não importa o que aconteça, não abandonaremos nossa fé”, disse Gangadhar.

No início da noite, no entanto, uma grande multidão apareceu na casa de Balveer Munda, disse ele. Eles destruíram a entrada e demoliram as paredes, e quando a Balveer Munda tentou detê-los, eles o empurraram para longe e roubaram grãos, roupas e galinhas, segundo Gangadhar Munda.

“Foi um assalto em plena luz do dia”, disse ele. “Quando tentamos impedi-los, a multidão nos ameaçou de que seríamos mortos se não deixássemos a aldeia imediatamente. Suas ameaças cresceram intensas; eles disseram que não nos ofereceriam nem mesmo uma gota de água, e que nossas terras seriam arrebatadas se não obedecermos às suas ordens e nos convertermos a Sarna”.

Sua esposa, acrescentou, estava em sua 39ª semana de gravidez na época.

“Eles aterrorizaram a mulher e as crianças”, disse ele. “Minha esposa ficou horrorizada ao vê-los me ameaçando que eles me matariam. Ela ficou em pânico e estressada”, disse.

Anima Munda, que deu à luz em 10 de julho, disse ao Morning Star News que a família imediatamente fugiu para Dolaichi, a quase seis quilômetros de Mahuatoli, a pé.

“Estou com medo de voltar para a nossa casa”, disse ela.

Seu marido disse que deixar a casa deles naquela época era especialmente difícil, e a incapacidade de sua esposa de comer bem desde então a enfraqueceu, contribuindo para um parto prolongado de 24 horas.

“Não tínhamos outra opção senão mudar do conforto de nossa casa para a casa de um crente na aldeia vizinha”, disse ele. “Foi uma decisão repentina, e minha esposa não se ajustou totalmente aqui e não estava comendo bem. Os médicos disseram que ela estava fraca demais para o trabalho de parto.

Inação Policial

Em 17 de junho, as famílias cristãs foram à delegacia de Bharno para apresentar uma queixa, mas os policiais se recusaram a registrar seus pedidos e os aconselharam a fazer um “compromisso” e não arquivar um caso.

Eles então arquivaram uma queixa online, obtendo assim um Primeiro Relatório de Informações (FIR) registrado, reuniram-se com o superintendente do Distrito de Gumla e entregaram cópias da queixa e da FIR, disseram as fontes.

Uma fonte que falou sob condição de anonimato disse que extremistas hindus influenciaram os aldeões.

“Recebemos informações de que os aldeões receberam ordens do Hindu Jagran Manch [Fórum Hindu de Despertar], uma afiliada do Vishwa Hindu Parishad [Conselho Mundial Hindu] e seu parceiro militante juvenil, Bajrang Dal”, disse a fonte.

Prejudicados pela inação da polícia, os cristãos entraram com uma denúncia particular sob o Artigo 200 do Código de Processo Penal no Tribunal Distrital de Gumla em 26 de junho. A audiência foi marcada para segunda-feira (15 de julho), disse o advogado Makshud Alam.

A Índia ocupa o décimo lugar na lista de observação cristã Portas Abertas 2019 da organização de apoio aos países onde é mais difícil ser cristão. O país estava em 31º em 2013, mas sua posição vem piorando a cada ano desde que Modi chegou ao poder.

Fonte – guiame

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *