astronomia,  Bíblia,  big bang,  ciência,  cientistas,  criação,  Deus,  Gênesis,  gospel,  Notícias,  Telescópio James Webb,  universo

Estudo sobre as primeiras galáxias do universo mostram indícios da Criação


Estudo sobre as primeiras galáxias do universo mostram indícios da Criação

Pela primeira vez, uma equipe internacional de astrofísicos caracterizou estatisticamente as primeiras galáxias do Universo, que acreditam terem se formado há “apenas” 200 milhões de anos após o Big Bang.

O Prof. Rennan Barkana da Escola Sackler de Física e Astronomia da Universidade de Tel Aviv faz parte do grupo que publicou os resultados do estudo na revista Nature Astronomy.

“De acordo com os resultados de suas pesquisas, as primeiras galáxias eram relativamente pequenas e fracas”, explicaram os pesquisadores em um comunicado.

“Elas eram mais fracas do que as galáxias atuais e provavelmente processaram apenas 5% ou menos de seu gás em estrelas. Além disso, as primeiras galáxias não emitiam ondas de rádio com uma intensidade muito maior que a das galáxias modernas”.

“Este é um campo muito novo e um estudo inédito”, explicou o Prof. Barkana. “Estamos tentando entender a época das primeiras estrelas do Universo, conhecida como ‘aurora cósmica’, cerca de 200 milhões de anos após o Big Bang. O Telescópio Espacial James Webb, por exemplo, não pode realmente ver essas estrelas. Ele pode detectar apenas algumas galáxias particularmente brilhantes de um período um pouco posterior. Nosso objetivo é sondar toda a população das primeiras estrelas”.

Teoria física

O evento Big Bang é uma teoria física para as origens do universo que descreve como o universo se expandiu de um estado inicial de alta densidade e temperatura, informa o Israel365.

O Telescópio Espacial James Webb revela berçários estelares e estrelas individuais na Nebulosa Carina que não haviam sido vistas antes. (Foto: NASA, ESA, CSA e STScI)

Medições detalhadas da taxa de expansão do universo colocam a singularidade do Big Bang em cerca de 13,787 bilhões de anos atrás, que os cientistas consideram ser a idade do universo.

“De acordo com a imagem padrão, antes que as estrelas começassem a fundir elementos mais pesados ​​dentro de seus núcleos, nosso Universo não passava de uma nuvem de átomos de hidrogênio do Big Bang (além de algum hélio e muita matéria escura). Hoje, o Universo também está cheio de hidrogênio, mas no Universo moderno, ele é principalmente ionizado devido à radiação das estrelas.”

O Prof. Barkana explica suas conclusões:

“Galáxias modernas, como a nossa própria Via Láctea, emitem grandes quantidades de ondas de rádio. Em nosso estudo, colocamos um limite superior na taxa de formação de estrelas em galáxias antigas e em sua emissão de rádio geral. E este é apenas o começo. A cada ano os experimentos se tornam mais confiáveis ​​e precisos e, consequentemente, esperamos encontrar limites superiores mais fortes, dando-nos ainda melhores restrições ao amanhecer cósmico. Esperamos que em um futuro próximo não tenhamos apenas limites, mas uma medição precisa e confiável do próprio sinal.”

Origens divinas

Não existe menção ao Big Bang na história da Criação descrita no Livro do Gênesis, mas um número surpreendente de físicos proeminentes cita a teoria como prova das origens divinas do universo.

Muitos veem estudos recentes, como o citado aqui, como mais uma prova da Criação. O Dr. Gerald Schroeder, um cientista com mais de trinta anos de experiência em pesquisa e ensino, explica de forma resumida:

“O Big Bang é a melhor prova da existência de Deus desde que Moisés desceu do Sinai”, afirmou o Dr. Schroeder inequivocamente. “A única coisa que corresponde a isso é a criação do moderno estado de Israel.

O cientista baseia esta declaração em uma vida inteira de experiência em ciência e estudo da Bíblia. O Dr. Schroeder obteve seu bacharelado, mestrado e doutorado, todos no Instituto de Tecnologia de Massachusetts. Ele também é palestrante na Aish Hatorah Yeshiva em Jerusalém e não estava envolvido no estudo.

O pesquisador citou um número surpreendente de cientistas proeminentes como precedentes para suas declarações. Um desses cientistas foi Robert Jastrow, um astrônomo americano e físico planetário que foi um dos fundadores da NASA.

No início de sua carreira, Jastrow se autodefiniu como agnóstico, afirmando que “a cortina fechada sobre o mistério da criação nunca será levantada pelos esforços humanos, pelo menos no futuro próximo”.

Retratação

Jastrow se retratou após as observações feitas por Edwin Hubble que apoiavam a teoria do Big Bang.

Em entrevista ao Christianity Today em 1982, Jastrow disse:

“Os astrônomos agora descobrem que se encurralaram porque provaram, por seus próprios métodos, que o mundo começou abruptamente em um ato de criação ao qual você pode rastrear as sementes de cada estrela, cada planeta, cada coisa viva neste cosmos e na terra. E descobriram que tudo isso aconteceu como produto de forças que não podem esperar descobrir. Que existem o que eu ou qualquer um chamaria de forças sobrenaturais em ação é agora, penso eu, um fato cientificamente comprovado.”

Ele também foi citado como tendo dito: “Longe de refutar a existência de Deus, os astrônomos podem estar encontrando evidências mais circunstanciais de que Deus existe”.

Criado em uma área rural em uma família secular, o Dr. Schroeder personifica o físico que se tornou teólogo. Ele sempre foi fascinado pela natureza e atraído pela ciência. Como um jovem físico, o pesquisador trabalhou no desenvolvimento de sistemas para detectar remotamente testes nucleares por potências estrangeiras.

No início dos anos 1960, ele testemunhou um teste de um dispositivo nuclear que, ironicamente, ocorreu no feriado de Rosh Hashanna. Logo após essa experiência, ele começou a estudar filosofia judaica e tornou-se gradualmente mais observador religioso.

“Minha crença na Torá começou como resultado de testemunhar uma explosão nuclear”, disse o Dr. Schroeder. “Para mim, provou que existe um Deus.”

‘Deus espera por você’

A reação do Dr. Schroeder contrasta fortemente com a de Robert Oppenheimer, um dos desenvolvedores da primeira bomba atômica, que ao ser confrontado com a visão de sua criação, citou o Hindu Bhagavad Gita: “Agora eu me tornei a Morte, o destruidor de mundos.”

Dr. Schroeder citou Werner Heisenberg, um físico teórico alemão e um dos principais pioneiros da teoria da mecânica quântica. O cientista, que viveu no início do século 20, escreveu: “O primeiro gole do vidro das ciências naturais o transformará em ateu, mas no fundo do vidro Deus espera por você”.

“Os cientistas seculares teorizam sobre as origens do universo como algo do nada e acreditam que é isso que a Bíblia está tentando e falhando em descrever”, explicou o Dr. Schroeder ao Israel365 News.

Na entrevista ele diz ainda que “a teoria do Big Bang descreve o processo científico de algo do nada… físico. A Bíblia está descrevendo que toda a criação veio do nada físico. Mas veio de algo espiritual, Deus.”

Einsten (1879 – 1955) nasceu em uma família alemã e tornou-se um dos mais famosos cientistas da história. (Foto: Reprodução)

O Dr. Schroeder explicou também que Albert Einstein inicialmente teorizou que o universo era dinâmico e instável, preso em um ciclo infinito de expansão e contração. Depois, ele se retratou, chamando sua teoria inicial de “o maior erro da minha vida profissional”. Mais tarde, ele provou matematicamente o começo do universo.

O Dr. Schroeder observou que a ciência provou a criação do universo, mas também refutou a teoria de que o Big Bang é parte de um ciclo eterno de expansão e contração.

“Embora a ciência tenha provado a criação do universo, observamos que o universo está se expandindo em um ritmo acelerado, talvez para sempre”, disse o Dr. Schroeder.

“Parece improvável que um fim do universo seja o que a Bíblia descreve como Mashiach (Messias). Isso é bom, pois, com a forma como os eventos humanos estão se desenrolando, espero que aconteça mais cedo do que isso.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.