Central Park,  Cristianismo,  Estados Unidos,  Evangelho,  evangelismo,  gospel,  igreja,  Jesus,  Mundo Cristão,  Nova York,  Tim Keller

Igrejas se unem para transmitir a fé cristã na secular Nova York


Igrejas se unem para transmitir a fé cristã na secular Nova York

Tore Hjalmar Sævik mostrou como o cristianismo está mudando nos EUA, por meio de uma série de artigos enquanto viajava pelo país. Em uma de suas matérias, o jornalista norueguês traz o trabalho que tem sido feito pelas igrejas em Nova York, uma das cidades mais seculares do mundo.

Para isso, ele conversou com diversos cristãos e líderes que se unem neste trabalho de compartilhar do Evangelho na metrópole americana.

Tore reporta que nos últimos anos, congregações e líderes cristãos em Nova York investiram mais em colaboração por meio da iniciativa Lead NYC. Um dos arquitetos é Mac Pier, que pertence a uma congregação batista no Queens, onde muitos têm origem asiática.

“Não quero generalizar demais, mas na maioria das cidades acho que há muita divisão entre as igrejas”, diz Pier. Ele acredita que isso pode ser devido a diferenças, entre outras coisas, origem étnica e afiliação denominacional.

“Na maioria dos ambientes urbanos, você não tem a profundidade necessária nos relacionamentos para ter a confiança que permite ter uma grande influência”, diz ele.

O Evangelho é compartilhado nos mais diversos ambientes. (Foto: Redeemer City to City)

Três vezes ao ano

É por isso que ele acredita que muitas congregações e líderes cristãos em Nova York se reúnem três vezes ao ano para inspirar e aprender uns com os outros.

Segundo diz Tore, a iniciativa é inspirada no fato de que os judeus do Antigo Testamento iam a Jerusalém três vezes por ano.

O maior é o Dia do Movimento, que aconteceu em outubro.

Pier também é um mobilizador para grandes cidades no movimento global de Lausanne, que promove a missão cristã. Ele espera que o desenvolvimento da cooperação da igreja em Nova York possa inspirar outros, tanto nos Estados Unidos quanto em outros países, a realizar evangelismo e esforços pelos pobres e desfavorecidos.

“Existe um movimento missionário crescente com um chamado para as cidades que vão fazer a diferença”, afirma.

Timothy Keller

Muitas pessoas e líderes têm se unido para pregar sob vários formatos em Nova York.

Tore conversou com Christa Lopez que mora na cidade hoje sob essa visão. Ela achava que não havia muitos cristãos em Nova York quando chegou, vinda de Los Angeles.

Agora ela trabalha para uma igreja conhecida internacionalmente por alcançar pessoas seculares, a Redeemer Presbyterian Church, fundada pelo pastor e autor Timothy Keller.

Tim Keller. (Foto: Facebook/Redeemer Presbyterian Church of NYC)

Os dois se encontraram no Central Park, onde ela está se reunindo com um grupo da igreja.

“O grupo Redeemer está aproveitando o dia de folga para conhecer novas pessoas que chegaram à congregação e o novo pastor que vem da Inglaterra”, ele diz.

“Comecei a orar por Nova York e meu amor por Nova York cresceu”, explicou Christa, que também diz ter sido Deus a chamá-la para se mudar para a cidade.

Uma igreja em declínio

Desde a fundação da igreja, Keller colocou grande ênfase em combinar o ensino da Bíblia com o envolvimento cristão na cultura e na sociedade.

“Foi o grupo de artistas da igreja que me atraiu para a congregação”, diz Christa.

O jornalista lembra que Keller se aposentou como pastor em 2017 e está em tratamento de câncer há dois anos. Durante esse período, ele publicou uma série de artigos sobre o declínio da igreja americana nas últimas décadas e sobre como seria uma renovação cristã.

“Nunca na história americana a igreja esteve tão fraca ou a população americana tão desconectada da religião”, escreve Keller. Ele acrescenta: “Ninguém pensa que o estado atual de nossas igrejas americanas é bom”.

“Uma de suas respostas é que a igreja cristã deve se desvencilhar da polarização política e redescobrir as visões que a Bíblia dá para a vida cristã no mundo: antes de tudo, uma comunidade de fé em Jesus Cristo”, diz Tore.

Diversidade religiosa

Tore lembra que Nova York está entre as áreas com maior diversidade religiosa nos Estados Unidos, de acordo com o Public Religion Research Institute.

“Entre os grupos religiosos que são muito mais fortes aqui do que nos Estados Unidos em geral estão católicos e judeus, de acordo com o Pew Research Center. Os cristãos evangélicos são um grupo muito menor aqui do que em muitos outros lugares do país”, diz.

“Ao mesmo tempo, há também uma grande variedade de tais congregações”, diz.

Ele informa que a maior delas, o Centro Cultural Cristão no Brooklyn, está planejando um projeto de desenvolvimento urbano de bilhões de dólares, de acordo com o Christianity Today.

Convidados de todo o mundo

As pessoas nos EUA preferem se reunir para o culto nas manhãs. Uma congregação conhecida e bastante frequentada é a Brooklyn Tabernacle, localizado do outro lado do East River, que separa o distrito de Manhattan.

Pessoas de diversas partes do mundo se reúnem ali.

Charles Hammond faz uma crítica ao dizer que muitas igrejas se preocupam em saber o que as pessoas querem das igrejas, mas deveria se preocupar sobre o que Jesus diz.

“Há tantas perguntas sobre usabilidade e o que as pessoas querem nas congregações. Preferimos voltar às Escrituras e perguntar: ‘O que Jesus disse?’”, diz o assistente Charles Hammond, membro há mais de 40 anos.

Nesse tempo, a congregação cresceu de cerca de 200 para aproximadamente 10.000 membros. O pastor estima que cerca de 40% são negros, cerca de 30% latinos e cerca de 30% brancos.

“O mundialmente famoso Coro do Tabernáculo do Brooklyn atrai muitos para a congregação. Quando visitei, foi dito que eles lançariam imediatamente seu 40º álbum. Eles cantam música gospel para que toda a sala balance e vibre”, diz Tore.

Brooklyn Tabernacle Choir. (Foto: Facebook/Brooklyn Tabernacle Choir)

“Nunca foi nossa intenção receber visitantes. Nossa intenção é pregar o Evangelho e exaltar Jesus Cristo”, diz Hammond. Ele enfatiza que a congregação também quer se unir a outras congregações da cidade para cumprir essa missão.

Buscando desafios

Tore relata a história de duas pessoas que também se mudaram para a maior cidade dos EUA para redescobrir e compartilhar com outras pessoas a experiência da comunidade cristã próxima.

“O casal, Kylie e Joey Willis, ambos cristãos, logo se tornarão pais pela primeira vez e estão esperando gêmeos. Eles conhecem muitas pessoas que não conseguem acreditar que se estabeleceram nesta cidade”, diz Tore.

Ele acha que os cristãos devem procurar lugares que possam ser desafiadores se quiserem “espalhar o reino de Deus”.

“Kylie vem do Canadá, que no sentido religioso é mais parecido com a Europa Ocidental. Ela recorda as parábolas que Jesus conta sobre os cristãos, como o fermento, o sal e a luz”, diz o jornalista.

“Só demora um pouco. É isso que somos chamados a fazer. Não somos chamados para ficar sozinhos”, justifica Kylie.

Joey cresceu no Texas onde ir à igreja era algo natural. Ele diz que após o culto, eles poderiam almoçar em algum lugar e conversar sobre o que o pastor havia dito.

“Mas mesmo que você não gostasse, voltava no domingo seguinte”, diz ele.

Joey diz que não encontra a mesma atitude nos jovens de hoje, nem nos alunos com quem trabalham para dar orientação pessoal no The King’s College, uma faculdade cristã de artes liberais.

“Eles querem uma participação mais ativa e não serem consumidores. Eles querem ser ouvidos”, diz.

Cético em relação às instituições

O casal acredita que mesmo o pastor sendo o melhor que se possa imaginar, a função de liderança tradicional e o modelo congregacional não funcionam da mesma forma em uma realidade mais secularizada, como é o caso de Nova York.

“Uma questão maior é o que a igreja realmente é. É ir à igreja no domingo de manhã ou é viver a fé onde estamos em um bairro ou comunidade?”, Kylie pergunta.

Tore diz que eles acreditam que parte do desafio é que muitas pessoas, especialmente os jovens, se tornaram céticas em relação à religião organizada.

“O maior desafio não é tanto sermos pós-cristãos, mas sermos pós-institucionais. As pessoas não confiam nas instituições”, diz Joey.

Evangelismo em NY é um grande desafio. (Foto ilustrativa: Pxhere)

Ele e Kylie acreditam que esse desenvolvimento foi fortalecido pela pandemia.

“A igreja deve ser o corpo de Cristo em todos os lugares, sempre. Mas tornou-se um evento em vez de um modo de vida”, dizem eles.

Segundo Joey, pode ser importante reunir os cristãos para reuniões maiores, mas ele acredita que a vida congregacional regular deve ser vivida em comunidades menores e mais próximas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.