alerta,  direitos humanos,  execução,  gospel,  Irã,  jovens,  manifestantes,  Notícias,  pessoas detidas,  poder,  protestos

Irã executa 2 manifestantes e missionários alertam: “É uma grande escalada”


Irã executa 2 manifestantes e missionários alertam: “É uma grande escalada”

Em meio às tensões que o Irã vive com o povo protestando nas ruas, a execução de dois manifestantes, um na semana passada e outro nesta segunda-feira (12), serviu de demonstração dos dois lados — o governo não vai recuar de sua violência e o povo não vai desistir de suas reivindicações.

De acordo com o Mission Network News (MNN), os ativistas prometem continuar com os protestos, apesar da repressão do Estado. “Vai piorar porque a raiva e a dor estão mobilizando famílias, amigos e conhecidos dos manifestantes mortos”, disse um estudante universitário iraniano à DW.

A revolta das pessoas transbordou com a morte da jovem de 22 anos, Mahsa Amini, após ser espancada por policiais iranianos por não estar usando corretamente o hijab (véu islâmico). 

As autoridades parecem estar tentando resolver a questão dos protestos com mais violência, anunciando algumas execuções de manifestantes anti-governo, mas nem isso conseguiu calar o povo, que permanece nas ruas. 

Primeira execução

Mohsen Shekari, de 23 anos, foi executado na última quinta-feira (8), acusado por “supostamente ferir um guarda da segurança” e por bloquear uma rua no Teerã, como parte dos protestos antigovernamentais.  

Os manifestantes ficaram chocados porque o governo prendeu alguém tão jovem e o forçou a confessar, conforme explicou Reza, do Global Catalytic Ministries (GCM) — organização cristã focada na evangelização de muçulmanos e plantação de igrejas.

“Mesmo depois que ele foi executado, mostraram sua confissão falsa e ele tinha hematomas em seu rosto”, revelou o missionário ao descrever a vítima. Reza ainda disse que há pelo menos 12 manifestantes que já receberam sentença de morte.

Ativistas também alertam que as audiências estão acontecendo a portas fechadas, que quase 500 pessoas já foram mortas desde que as manifestações começaram e mais de 18 mil pessoas foram detidas pelas autoridades

“Eles estão sendo acusados de ‘moharebeh’, que significa ‘travar guerra contra Alá’. O Irã é um país islâmico, suas regras e leis estão baseadas no Alcorão. É também uma teocracia em que o Líder Supremo ouve o próprio Alá e governa o país com base no que ouviu”, continuou.

Segunda execução

Conforme notícias do NPR, na manhã desta segunda-feira (12), Majidreza Rahnavard, que também tinha 23 anos, foi enforcado publicamente, na cidade sagrada de Macchad. Ele ficou pendurado num guindaste como “exemplo” à população.

Ele foi detido em 19 de novembro. Entre sua prisão e execução não se passaram nem 30 dias. Para incriminar Majid, as autoridades divulgaram dois vídeos feitos por câmeras de vigilância.

Nos vídeos, é possível ver ‘um homem atacando alguém’ no meio da rua e o esfaqueando diversas vezes. Depois o agressor esfaqueou uma segunda pessoa e as duas vítimas morreram no local. 

O agressor que a TV estatal alega ser Rahnavard, na verdade fugiu. Organizações de direitos humanos denunciam o julgamento apressado e o fato do acusado não poder escolher seu próprio advogado. Isso tem gerado críticas internacionais. 

‘Eles farão de tudo para permanecer no poder’

“O Irã é um barril de pólvora esperando por algo para incendiá-lo, e este movimento de protesto pode ser isso”, disse Reza.

“Quando os distúrbios estavam acontecendo em setembro, eu disse: Até que o IRGC — Corpo da Guarda Revolucionária Iraniana apareça e comece a impedir isso, não veremos do que são feitos os distúrbios”, lembrou.

Reza explica que o povo iraniano precisa que outras nações se manifestem em seu favor: “Se a comunidade global não fizer nada para mostrar o quanto isso é mau e errado, o Irã continuará executando pessoas”. 

“Eles farão tudo para permanecer no poder, o que é uma grande tática de medo. Esta é uma ótima maneira de controlar as pessoas [executando manifestantes] porque o povo terá medo de protestar contra o governo”, disse ainda.

‘Usando a lei para matar ‘

De acordo com Reza, as leis islâmicas podem manter as potências estrangeiras afastadas. Embora reconheça que as execuções foram perturbadoras, o principal funcionário de direitos humanos da ONU admitiu que seus poderes são limitados.

“Só posso pedir às autoridades que instituam imediatamente uma moratória sobre a pena de morte, libertem os manifestantes que foram presos e trabalhem pela abolição da pena de morte”, disse António Guterres a repórteres.

“Não podemos mudar os líderes do Irã, mas conhecemos o Deus que tem o mundo todo em Suas mãos”, citou Reza.

‘As pessoas estão vendo o homem de branco’

“Dentro do Irã está acontecendo uma tempestade perfeita: agitação social, econômica, política e religiosa. E Deus está se movendo poderosamente através de sonhos e visões”, contou o missionário..

“As pessoas estão vendo ‘o homem de branco’ e aceitando a Cristo”, ele compartilhou. 

“Ore para que isso continue acontecendo e que o Espírito Santo de Deus continue a se mover poderosamente dentro do Irã”, concluiu.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.