Aborto,  arrependimento,  gospel,  graça,  médico,  Mundo Cristão,  pró-vida,  testemunho

Médico abortista se arrepende e aceita Jesus: “Fiquei diante da misericórdia”


Médico abortista se arrepende e aceita Jesus: “Fiquei diante da misericórdia”

Aos 62 anos, o Dr. John Bruchalski, que atuou como médico abortista, está compartilhando seu testemunho para mostrar que ninguém está além da graça, da misericórdia e do perdão de Deus. 

Quando John iniciou sua carreira na medicina, realizou diversos abortos sem sentir culpa, porque havia aprendido na faculdade que “a verdade era relativa” e a ciência estava acima de tudo.

“Eu era muito bom em ouvir, e naquela época a ideia era que o aborto legalizado era a maneira de trazer liberdade às mulheres. Em última análise, as crianças eram doenças sexualmente transmissíveis”, disse Bruchalski, à CBN News.

Crescendo em uma família cristã, John sabia que a vida começa na concepção. Mas, seu pensamento foi influenciado quando ele entrou na faculdade de Medicina, no final dos anos 1980. 

Se tornando pró-aborto na faculdade

“Eu estava seguindo o status quo. Foi somente pela misericórdia de Deus que Ele entrou na minha miséria na época e me resgatou”, afirmou ele.

Durantes seus primeiros dois anos atuando como médico e interrompendo gestações, John passou a questionar o aborto.

“Comecei a perceber que você realmente tem que ‘endurecer’ seu coração. Você tinha que respirar fundo. Mas à medida que o feto crescia, você tinha que contar partes do corpo para ter certeza de que o útero estava esvaziado e fazer isso constantemente como parte de seu treinamento, eu realmente comecei a sentir que estava endurecendo meu coração”, revelou.

Ao ler estudos que ligavam o aborto a doenças mentais, trabalho de parto prematuro e câncer de mama, o médico percebeu que a prática “não era tão boa quanto as pessoas realmente pensavam que era”.

Na mesma época, Bruchalski também começou a frequentar uma igreja local. “Eu estava começando a voltar para a igreja, a ter um relacionamento com Cristo, e começando a ver como as mulheres e os homens realmente se importavam com a pessoa como um todo.  Mas, durante o dia eu estava de volta à minha residência médica aprendendo como terminar uma gravidez e que as crianças eram DSTs”, contou.

“Pare de tratar esses bebês como se fossem tumores”

Já em conflito consigo mesmo, o jovem médico foi confrontado em um dia de trabalho, quando ele atendeu duas pacientes grávidas de 22 semanas.

“[Eu estava] em trabalho de parto [e] em um quarto porque a mãe queria a criança, eu fiz tudo o que pude para salvar esse bebê com de 22 semanas. O bebê pesava cerca de um quilo, eu estava fazendo tudo o que podia porque o bebê era desejado”, disse ele.

“Na sala ao lado, eu estava abortando um bebê da mesma idade, porque a mãe não queria. Não era desejado, então eu apenas estourei a água e esvaziei seu útero”, explicou Bruchalski.

Porém, o aborto deu errado e o bebê nasceu vivo. “Imagine que eu tentei abortar essa criança, mas depois tive que chamar o berçário para salvá-la”, lembrou.

Então, uma médica neonatologista veio salvar o bebê e disse algo a John, que o impactou para sempre. 

“Pare de tratar esses bebês como se fossem tumores. Você é melhor que isso. Você é um bom médico”, exortou ela.

Buscando a Deus em arrependimento

Naquele dia, o Dr. Bruchalski se arrependeu de ser um médico abortista e participou de um retiro para buscar a Deus.

“Toda a minha vida desmoronou. Fiquei face a face, em oração, com a misericórdia de Jesus Cristo e sua ferida aberta da qual ele derramou tudo. Eu voltei um homem diferente.

Ninguém está além da misericórdia de Deus”, testemunhou ele.

Ao voltar ao hospital, John informou a seus professores e colegas que não realizaria mais abortos porque havia sido salvo por Jesus.

Hoje, aos 62 anos, o médico cristão tem trabalhado para conscientizar estudantes e profissionais da saúde sobre a perversidade do aborto e os incentivar a praticar a medicina que luta pela vida.

“O aborto é uma ruptura violenta entre uma mãe e seu filho não nascido [e] tem consequências duradouras. Mesmo que tentemos ‘substituir mãe com filho’ por ‘direito das mulheres ao aborto’, as palavras podem ter mudado, mas a realidade ainda está lá”, ressaltou John.

Ele lembrou do arrependimento e da dor de muitas mães, que abortaram há 40 ou 50 anos, sentem hoje.

“No início, dizem: ‘Fizemos o nosso melhor, não tive escolha, estou tão feliz por ter conseguido’. Mas com o passar dos anos, elas dizem: ‘Meu filho teria 17 anos hoje’ ou ‘Meu filho teria 26′”, refletiu Bruchalski.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.