aborto forçado,  assassinato sistemático,  China,  comunismo,  generocídio,  gospel,  Mundo Cristão,  política dos três filhos,  pró-vida,  uigures

Organização pró-vida na China impede que casais abortem: ‘Salvando um bebê de cada vez’


Organização pró-vida na China impede que casais abortem: 'Salvando um bebê de cada vez'

Embora tenha ocorrido mudanças no controle populacional da China, através da “política dos três filhos”, muitas mulheres grávidas ainda são forçadas a fazer abortos, especialmente se for uma menina. 

“As famílias ainda estão abortando e abandonando seletivamente meninas porque as pessoas preferem meninos”, disse Reggie Littlejohn, fundador e presidente da Women’s Rights Without Frontiers (Direito das Mulheres Sem Fronteiras). 

O grupo se define como uma “coalizão internacional de organizações pró-vida, com o trabalho focado em combater o aborto e a escravidão sexual”. Littlejohn disse que o aborto forçado e o generocídio fazem parte da realidade na China. 

Sobre o generocídio

Generocídeo é o assassinato sistemático de determinado gênero, no caso da China, de meninas.

“Se eles têm duas filhas primeiro e estão esperando um terceiro filho, algumas famílias vão simplesmente abortar meninas até que finalmente tenham um menino para esse terceiro filho”, esclareceu Littlejohn.

O aborto é amplamente praticado na China há décadas. Segundo a política do filho único, introduzida em 1979, milhões de mulheres por ano eram forçadas a interromper a gravidez “ilegal”.

A coalizão de Littlejohn tem ajudado as famílias chinesas nesse sentido: “Salvamos cerca de 300 meninas e fazemos isso enviando nossos colaboradores de porta em porta”.

“Estamos salvando um bebê por vez”

De acordo com o líder pró-vida, os colaboradores conversam com as grávidas ou com as mães de meninas que acabaram de dar à luz, mostrando que há caminhos diferentes para resolver a situação. “Estamos salvando um bebê de cada vez”, disse.

As mulheres recebem uma espécie de “bolsa mensal” no valor de 25 dólares (cerca de 130 reais) como incentivo para convencer a família sobre a importância da menina.

“Esse valor representa muito dinheiro no interior da China e permite que essas mulheres falem com seus maridos e sogras. Elas podem argumentar: ‘Olha não posso abandonar essa menina, veja como é uma garota de sorte, ela já está trazendo dinheiro para a família’”, ele compartilhou. 

Abortos forçados

Por outro lado, a China vem dizendo que quer estabelecer um sistema de políticas para aumentar as taxas de natalidade, já que o país está enfrentando uma crise de envelhecimento da população. 

Conforme a agência de notícias Reuters, a taxa de natalidade deve cair para um nível recorde — abaixo de 10 milhões de recém-nascidos.

Mas, embora haja esse discurso do governo chinês sobre a “política dos três filhos”, na realidade a posição pública da China na questão dos abortos forçados ainda não mudou nada. 

“O que as pessoas não entendem é que toda a brutalidade da política do filho único ainda é legal sob a política dos três filhos. Assim, a nova regra é que todo casal — com casamento oficialmente legalizado — tem permissão para ter três filhos, mas as mães solteiras continuam obrigadas a abortar e também as casadas que vão ter o quarto filho”, disse Littlejohn ao lembrar também do caso dos uigures e dos tibetanos.

‘Grupos pró-vida tem nos ajudado’

Infelizmente, conforme continuou explicando Littlejohn, a questão do aborto num país comunista não é facilmente resolvido como uma questão entre a direita e a esquerda. 

“Infelizmente, esse não é o caso. Quando fundei a coalizão [Direito das Mulheres Sem Fronteiras], com a esperança de que as pessoas pró-vida e pró-aborto, direita e esquerda, se unissem para se opor ao aborto forçado, já que isso deixa de ser uma escolha [por parte da mulher], eu fiquei muito desapontado”, disse ele em entrevista à CBN News. 

“Basicamente, as pessoas que apoiam os chamados ‘direitos ao aborto’ realmente não disseram nada e não ajudaram em nada. Somente a comunidade pró-vida tem nos apoiado para tentar impedir essas atrocidades na China”, concluiu. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.