Deus,  gospel,  igreja,  Magali e Sergio Leoto,  Magali Leoto,  ministério de casais,  reconciliação,  Sergio Leoto,  solidão

Solidão: Nem sempre é um problema!


Solidão: Nem sempre é um problema!

Somos parciais ao achar que a solidão é sempre má. Ela tem seu lado positivo! Existem momentos em que desejamos nos isolar voluntariamente das pessoas e nem sempre isso é mau. Pode ser muito saudável ficar sozinho para alguma atividade ou para pensar um pouco na vida. Você começa e termina o seu isolamento, quando quiser.

A parte ruim da solidão acontece quando nos vemos forçados a permanecer sozinhos. Não é algo agradável, mas penoso. Gostaríamos que ela terminasse logo, mas ela persiste, apesar de lutarmos contra ela. Neste caso, a solidão pode tornar-se um grave problema. Os motivos desta “parte má” da solidão são variados, a começar pelas exigências do mundo moderno, como:

– A competição no trabalho e nos estudos – que coloca os relacionamentos e amizades em segundo plano e as pessoas acabam por se isolar;

– As mudanças constantes – pessoas que por necessidade, mudam com frequência. Isto contribui para o esfriamento de amizades antigas e dificuldades com as situações novas. Frustradas, isolam-se;

– Causas psicológicas como: baixa autoestima, incapacidade de comunicarem-se, atitudes de hostilidade, medo do risco de rejeição, problemas de afetividade etc. Muitas vezes estas pessoas precisam da ajuda profissional de médicos e psicólogos.

– A vida sentimental – certamente é uma das queixas mais frequentes dos solitários! Existem aqueles que estão “momentaneamente” solitários, quando vivem um espaço entre duas histórias de paixão.

O amor é um sentimento maravilhoso. Muitas pessoas, ao longo dos tempos, tentam descrevê-lo: músicos, poetas, filósofos, teólogos etc. Mas, apesar de tantas descrições importantes, verdadeiras e feitas a partir de diferentes pontos de vista, nenhuma é tão completa quanto vivenciar este tipo de amor: amar alguém e ser amado também.

Alguns destes solitários temem, porque já passaram por relacionamentos problemáticos no passado e não querem repeti-los no casamento. São pessoas que querem fazer a vontade de Deus e também escolher os companheiros certos, que valham a pena. Uma boa pedida é aproveitar este momento de solidão, para ouvir algumas “dicas” importantes:

– “Não deixe de trabalhar JUNTO com Deus, para escolher seu próximo amor”. Muitos desistem de esperar no Senhor e partem para “agarrar o(a) primeiro(a) que aparece” e se frustram mais ainda depois!

– Avalie as QUALIDADES que deseja encontrar na pessoa amada”. É necessário ter bem definido em sua mente quais são os seus valores e não abrir mão deles. Escreva num papel cinco valores que você considera mais importantes em sua vida. Se ela ou ele der a mesma importância que você para esses valores, isso já é um bom início. Mas lembre-se de que isso é só o começo!

O futuro namoro tem o propósito de oferecer oportunidades para que os parceiros se conheçam mutuamente – descubra se a pessoa que você tem em vista, será a melhor companhia para o resto de sua vida. Para isso, não se deixe envolver apenas pelas emoções. Aproveite esse tempo com sabedoria e inteligência, para poder fazer uma boa escolha.

O QUE A BÍBLIA MOSTRA SOBRE A SOLIDÃO?

A Palavra de Deus se concentra em nos instruir e motivar, para que trabalhemos o nosso relacionamento com o Senhor e com as pessoas. Uma relação que se desenvolve de forma crescente com Deus e com os outros, torna-se a base para a solução do problema da solidão:

– Deus não quis que o homem permanecesse só – Gênesis 2:18: “Então o Senhor declarou: ‘Não é bom que o homem esteja só; farei para ele alguém que o auxilie e lhe corresponda’”.

– O propósito de Deus para o homem na Criação, não foi viver sozinho, mas conviver com muitos – Gênesis 1:28: “Deus os abençoou e lhes disse: ‘Sejam férteis e multipliquem-se! Encham e subjuguem a terra!…’”.

– Muitos homens de Deus passaram por momentos de solidão, mas ela nunca é recomendada. Várias vezes, porém o Senhor dá suprimento aos Seus servos – (Gênesis 28:10-17; 39:20-23; 1Reis 19:3-18; Atos 7:30-36).

– Deus nos amou e nos enviou Jesus, para não permanecermos solitários, longe dEle. Somos instruídos a amarmos uns aos outros – 1João 4:9-12: “Foi assim que Deus manifestou o seu amor entre nós: enviou seu Filho Unigênito ao mundo, para que pudéssemos viver por meio dele. Nisto consiste o amor: não em que nós tenhamos amado a Deus, mas em que ele nos amou e enviou seu Filho como propiciação pelos nossos pecados”.

– Devemos levar as cargas uns dos outros – Gálatas 6:2: “Levem os fardos pesados uns dos outros e assim cumpram a lei de Cristo.

– Devemos confessar os pecados e orar uns pelos outros – Tiago 5:16: “Portanto confessem os pecados uns aos outros e orem uns pelos outros para serem curados. A oração de um justo é poderosa e eficaz”.

– Devemos aconselhar-nos uns aos outros – Romanos 15:14: “Meus irmãos, eu mesmo estou convencido de que vocês estão cheios de bondade e plenamente instruídos, sendo capazes de aconselhar-se uns aos outros”.

– Não podemos isolar ou ter acepção de pessoas, mas devemos aceitarmo-nos – Tiago 2:1-13: “Meus irmãos, como crentes em nosso glorioso Senhor Jesus Cristo, não façam diferença entre as pessoas, tratando-as com parcialidade. (…) Se vocês de fato obedecerem à lei do Reino encontrada na Escritura que diz: ‘Ame o seu próximo como a si mesmo’, estarão agindo corretamente. Mas se tratarem os outros com parcialidade, estarão cometendo pecado (…)”.

– Precisamos nos acolher, como Cristo fez conosco – Romanos 15:7: “Portanto acolhei-vos uns aos outros, como também Cristo nos acolheu para a glória de Deus”.

– Precisamos suportar e perdoar em amor – Colossenses 3:13-14: “Suportem-se uns aos outros e perdoem as queixas que tiverem uns contra os outros. Perdoem como o Senhor lhes perdoou. Acima de tudo, porém, revistam-se do amor que é o elo perfeito”.

CONSELHOS A UMA PESSOA “NEGATIVAMENTE” SOLITÁRIA

– Admitir que possa estar com um problema e que precisa de ajuda – o primeiro passo para a solução é admitir que existe um problema e que necessitamos de ajuda para resolvê-lo. Conversar com um amigo, conselheiro ou um terapeuta, pode ser uma experiência saudável e maravilhosa.

– Avaliar as possíveis causas desta solidão – algumas causas são temporárias, leves e passageiras; mas outras, podem necessitar a ajuda de um conselheiro profissional.

– Procurar compreender e aceitar, aquilo que não pode ser mudado – como, por exemplo, a perda de alguém querido; a impossibilidade de voltar para um lugar em que se foi extremamente feliz; algum dano físico irreversível. Devemos lembrar que a maravilhosa Graça e o grande Amor de Deus, sempre nos ajudarão a passar por esses momentos.

– Dispor-se a fazer mudanças, visando alterar o que é possível alterar – o que pode ser melhorado em nós deve ser encarado como um objetivo de aperfeiçoamento, para servirmos a Deus com excelência, através de tudo o que somos e realizamos.

Deus ama o solitário e está disponível para ajudá-lo. O Senhor irá responder ao seu clamor e poderá suprir suas necessidades, de várias formas: através de uma mensagem, de um livro, um conselheiro ou qualquer outra maneira, que o Espírito Santo queira usar. Seja sensível e faça sua parte dizendo: “Sim Senhor, eu quero a Sua ajuda!”.

Sl 68:5-6a: “Pai para os órfãos e defensor das viúvas é Deus em sua santa habitação. Deus dá um lar aos solitários …” (NVI).

Por Sergio Leoto (pastor) e Magali Leoto (psicóloga) escritores, palestrantes e trabalham junto às famílias, através do ministério “Fortalecendo a Família”, desde 1990.

* O conteúdo do texto acima é de colaboração voluntária, seu teor é de total responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a opinião do Portal Guiame.

Leia o artigo anterior: O milagre da reconciliação

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.