Brasil,  gospel,  humano,  igrejas,  Notícias,  pessoas,  tráfico

Tráfico humano: como combater o mal que faz vítimas em todo o mundo


Tráfico humano: como combater o mal que faz vítimas em todo o mundo

O tráfico humano ainda é uma realidade a ser combatida em todos os países do mundo, inclusive o Brasil. Esta é a mensagem de alerta do Dia Mundial contra o Tráfico de Pessoas, celebrado nesta terça-feira (30).

O tráfico de pessoas consiste na comercialização criminosa de seres humanos para exploração sexual, trabalho escravo, remoção de órgãos, adoção ilegal e outras finalidades.

No Brasil, a maior parte das pessoas é vítima do tráfico para fins de exploração sexual ou trabalho escravo, de acordo com um relatório produzido em parceria pela Secretaria Nacional de Justiça e o Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC), que apresenta dados sobre tráfico de pessoas no período de 2014 a 2016.  

Os números indicam que maior parte das vítimas é composta por mulheres (51%) e meninas (31%). Regionalmente, 58% das vítimas são aliciadas para a exploração sexual, 32% para o trabalho escravo e 10% para outros propósitos.

O mais recente Relatório Global sobre Tráfico de Pessoas, divulgado em fevereiro pela ONU, indicam que os países reforçaram suas capacidades de identificar as vítimas devido às taxas recordes de condenação e detecção. Enquanto em 2003 menos de 20 mil casos foram registrados, o número subiu para mais de 25 mil em 2016.

Os dados também podem indicar outro quadro: o número de casos reais de tráfico aumentou.

De acordo com o deputado federal Roberto de Lucena (PODE-SP), é preciso um monitoramento e um sistema de controle eficiente nas fronteiras do País. “Para além disso, o governo deve ter como objetivo atender o critério humanitário sem, contudo, deixar de ficar atento às questões de segurança nacional e internacional”, disse ao Guiame.

A legislação do Brasil para o combate ao tráfico humano abrange todas as formas de tráfico indicadas pelo Protocolo da ONU sobre Tráfico de Pessoas. 

Em 2016, foi aprovada uma lei específica sobre o tema, a qual criminaliza o tráfico de pessoas cometido no território nacional contra qualquer pessoa, brasileira ou estrangeira, ou contra brasileiros no exterior. 

Outro exemplo apontado por Lucena é a Nova Lei de Migração, que “claramente assegura que a acolhida humanitária ocorra de maneira que não ponha em risco a segurança dos migrantes nem dos nacionais”. 

“A Ação Global Para Prevenir e Combater o Tráfico de Pessoas e o Contrabando de Migrantes (GLO.ACT) é, inclusive, um dos programas internacionais que o Brasil tem participado para atuar no desenvolvimento e implementação de respostas nacionais abrangentes de combate ao tráfico e contrabando de pessoas, garantindo a adoção de uma abordagem dupla de prevenção e proteção”, acrescenta o parlamentar.

Papel das igrejas

Segundo Lucena, que é pastor, as igrejas também têm seu papel no combate ao tráfico de pessoas. “Em primeiro momento, as igrejas, enquanto entidades religiosas, devem orar e agir com compaixão, acolhendo e dando assistência às vítimas de tráfico humano, principalmente os migrantes e refugiados, pois, conforme declarado pela ONU, o tráfico se alimenta da vulnerabilidade dessas pessoas”, afirma.

“Ademais, as igrejas devem buscar promover campanhas de informação quanto ao tema, tendo em vista prevenir, combater e denunciar os traficantes bem como prestar apoio emocional, físico e espiritual às vítimas, que certamente vivenciaram diversos traumas decorrentes dos abusos sofridos”, destaca.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.